• TVT
  • RBA
  • Rádio CUT
  • Rádio Trabalhador
MENU

Abraço Negro este ano será em formato de live

Há 20 anos, alunos e professores de escolas públicas de Goiânia e diversas cidades do interior abraçam simbolicamente espaços que são referências em suas localidades

Publicado: 19 Novembro, 2020 - 14h16 | Última modificação: 19 Novembro, 2020 - 15h14

Escrito por: Maísa Lima

notice

Nesta sexta-feira (20), às 9 horas, o Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego) realizará a 20ª edição do projeto Abraço Negro Goiânia.

O projeto foi criado para reforçar a importância do combate ao racismo no ambiente escolar e ao mesmo tempo mostrar aos professores(as) que é fundamental uma educação que olhe para as questões étnico raciais. Afinal é na escola que acontecem as primeiras experiências de racismo.

Há 20 anos, trabalhadores(as) de escolas públicas da Capital e de diversas cidades do interior abraçam simbolicamente espaços que são referências em suas localidades para mostrar que racismo é crime e que não pode ser tolerado pela comunidade escolar e nem pela sociedade.

Este ano, em função da pandemia da Covid 19 e da necessidade do distanciamento social, o Abraço Negro vai acontecer em formato de em uma live, cuja maior atração é Mychelle Alves, pesquisadora em Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Fiocruz (Asfoc-SN).

SintegoSintego

Além de Mychelle participarão da live a secretaria de Igualdade Racial da Central Única dos Trabalhadores em Goiás (CUT-GO) e do Sintego, Roseane Ramos; Ieda Leal, secretária de Comunicação da CUT-GO e de Combate ao Racismo da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), tesoureira do Sintego, e coordenadora Nacional do Movimento Negro Unificado (MNU); e Bia de Lima, presidenta da CUT-GO e do Sintego.

Para acompanhar a live, basta entrar no Facebook do Sintego: https://web.facebook.com/sintego/?ref=br_rs

Homenageada
A homenageada deste ano é a Dra. Jaqueline Goes de Jesus, uma das coordenadoras da equipe de pesquisadores que realizou o primeiro sequenciamento do genoma do coronavírus circulante na América Latina – 48 horas após a confirmação do primeiro caso de Covid-19 no Brasil.